2021 – ANO IBERO-AMERICANO DAS BIBLIOTECAS

2021 foi declarado Ano Ibero-Americano das Bibliotecas na última XX Conferência Ibero-Americana de Ministras e Ministros da Cultura da Ibero-América, realizada em 2019. Este acordo estabelece uma oportunidade de abrir uma conversa regional sobre a validade das bibliotecas em nossa região e seu papel no desenvolvimento dos países ibero-americanos.

No contexto da pandemia, e a meio a grandes desafios de acesso à informação, todos os tipos de bibliotecas se reafirmaram como espaços necessários para que as pessoas tenham acesso a um conhecimento confiável, locais que garantam o acesso à informação e desenvolvimento de seus direitos culturais. 

O Ano Ibero-Americano das Bibliotecas reunirá todos os tipos de bibliotecas: públicas, populares, comunitárias, digitais, móveis e itinerantes, universitárias, escolares, especializadas, indígenas, em cadeias ou prisões, nacionais, entre outras. Da mesma forma, será um tempo de reflexão ao redor das bibliotecas de uma região conformada por 23 países: Andorra, Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Porto Rico, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

Presidente do Iberbibliotecas
Ana Maria da Costa Souza – Presidente do Iberbibliotecas e Coordenadora-Geral do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas do Brasil

Durante 2021, o Comitê organizará, junto com todas os sistemas bibliotecários nacionais e locais, uma ampla variedade de atividades e programas, para as quais serão convocadas as bibliotecas de qualquer tipo que quiserem contribuir com suas experiências para a celebração do ano. Para isso, as atividades serão organizadas em torno dos eixos a seguir: 

1. O mundo diverso das bibliotecas: tipos e serviços. 

2. Os desafios das bibliotecas após a pandemia. 

3. Bibliotecas além dos livros: um lugar para as pessoas. 

4. Inovação e bibliotecas: o que significa inovar e como fazê-lo? 

5. Bibliotecas como entidades fundamentais para o desenvolvimento da Agenda 2030. 

6. Bibliotecas como locais de inclusão de populações desfavorecidas e minorias.

 

Por Iberbibliotecas / SNBP