Tô na Rede: projeto realizou diagnóstico de 152 bibliotecas públicas no estado do Pará

O Pará é o segundo maior estado do Brasil, possui uma população com mais de 8 milhões de habitantes e o acesso a alguns municípios só é possível por meio fluvial. Foram com estes desafios que o projeto Tô na Rede realizou o diagnóstico das 152 bibliotecas públicas municipais em 144 municípios paraenses, a fim de levantar e analisar as condições em que se encontram os espaços de leitura mantidos pelos governos locais.

O Tô na Rede (www.tonarede.org.br) é realizado pelo Instituto de Políticas Relacionais (IPR) com patrocínio da Fundação Bill e Melinda Gates e apoio do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP) para a promoção de atividades que incentivem o engajamento das bibliotecas públicas com a sua comunidade. O projeto já realizou diversas ações nos estados de Alagoas, Pernambuco e São Paulo.

Em 2016, o IPR foi selecionado pelo 4º Concurso de Ajudas do Programa Ibero-Americano de Bibliotecas Públicas (IBERBIBLIOTECAS) com o projeto Tô na Rede Pará e realizou, dentro outras atividades, o Diagnóstico das Bibliotecas Públicas Municipais do Estado do Pará. O estudo, que contou com a parceria da Fundação Cultural do Estado do Pará, ocorreu em 2017 por meio de visitas presenciais em 144 municípios. “O diagnóstico é o primeiro passo para se definir estratégias e alternativas que possam subsidiar a tomada de decisão para melhoria e qualificação das políticas públicas para as bibliotecas do Pará”, destaca Daniela Greeb, Diretora Geral do Instituto de Políticas Relacionais.

Pesquisadora Ysa Motta (Tô na Rede Pará) realizando levantamento de dados.
Pesquisadora Ysa Motta (Tô na Rede Pará) realizando levantamento de dados.

O projeto aconteceu em 3 etapas, sendo a primeira para tratar de planejamento, preparação dos documentos, construção dos instrumentos de coleta e sistematização dos dados; a segunda para pesquisa de campo, com coleta de dados in loco; e a terceira etapa envolveu a análise dos dados coletados e divulgação dos resultados. “Nosso maior desafio foi certamente em atuar no favorecimento de políticas públicas de inclusão e de garantias de direito no momento que o país está enfrentando e, ainda teremos um desafio futuro, que será de realizar este diagnóstico nos outros estados do Brasil”, comentou Greeb.

Veridiana Negrini (Gerente de projetos), Daniela Greeb (Diretora Geral), Gisele Arouck (Diretora de Leitura e informação da Fundação Cultura do Pará), Vanessa Labigalini (Diretora de Projetos e Comunicação), Ana Paula Do Val (Consultora) e Guilherme Relvas (na época, Coordenadora do Sistema Estadual de Bibliotecas do Pará, hoje, Diretor do Departamento do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas).
Veridiana Negrini (Gerente de projetos), Daniela Greeb (Diretora Geral), Gisele Arouck (Diretora de Leitura e informação da Fundação Cultura do Pará), Vanessa Labigalini (Diretora de Projetos e Comunicação), Ana Paula Do Val (Consultora) e Guilherme Relvas (na época, Coordenadora do Sistema Estadual de Bibliotecas do Pará, hoje, Diretor do Departamento do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas).

A pesquisa mostrou que das 152 bibliotecas públicas no Pará, 119 encontram-se abertas, parcialmente abertas ou fechadas temporariamente e apenas 7% estão localizadas em zonas rurais. Quanto a acessibilidade para pessoas com deficiência, 34% possuem rampa de acesso, somente 5% contam com mobiliário adaptado e 33% possuem livros em braile no acervo. 49% possuem computadores com acesso à internet, 38% ofertam oficinas e cursos e 27% realizam atividades de leitura fora da biblioteca.

De acordo com Jaqueline Gomes, Coordenadora Geral do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas, o diagnóstico foi de grande importância para avaliar as particularidades das bibliotecas públicas no Pará, “por meio deste estudo é possível identificar as áreas de carência informacional e a necessidade de fortalecimento do diálogo com os governos locais para modernização das bibliotecas e ampliação das ações de promoção à leitura”, comentou. Ainda de acordo com a coordenadora, o modelo do diagnóstico pode servir de base para ser multiplicado em outros territórios e regiões do país.

O reconhecimento de todo o trabalho já é visível, “notamos que após a divulgação dos resultados o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Pará (SEBP-PA) tem investido seus esforços para reabrir as bibliotecas e foram realizadas reuniões em cinco municípios visando as reaberturas”, comentou a Diretora Geral do IPR. O diagnóstico também foi premiado no final de 2017 pelo Prêmio IPL – Retratos da Leitura, promovido Instituto Pró Livro, que reconheceu a importância do projeto para o país.

Clique aqui e acesse o diagnóstico na íntegra.

Clique aqui e acesso os dados georreferenciados do projeto Tô na Rede.